Capital estrangeiro

RESOLUCAO 3.844                             
                        —————                             
                                                                    
                                 Dispõe  sobre o capital  estrangeiro
                                 no  País  e  seu registro  no  Banco
                                 Central  do  Brasil,  e  dá   outras
                                 providências.                      
                                                                     
         O  Banco  Central do Brasil, na forma do art. 9º da  Lei  nº
4.595,  de  31  de  dezembro de 1964, torna público  que  o  Conselho
Monetário Nacional, em sessão extraordinária realizada em 23 de março
de  2010, com  base  nos arts. 4º, incisos V e XXXI, e 57 da referida
Lei; na Lei nº 4.131, de 3 de setembro de 1962; nos arts. 6º e 16,  §
1º, da Lei nº 6.099, de 12 de setembro de 1974; no art. 65, § 2º,  da
Lei  nº  9.069, de 29 de junho de 1995; no art. 5º, § 5º, da  Lei  nº
11.371, de 28 de novembro de 2006; e no Decreto nº 55.762, de  17  de
fevereiro de 1965,                                                  
                                                                    
         R E S O L V E U:                                           
                                                                    
         Art.  1º   Esta Resolução dispõe sobre o capital estrangeiro
ingressado ou existente no País, em moeda ou em bens, e seu  registro
no  Banco Central do Brasil, aí incluído o registro das movimentações
financeiras com o exterior dele decorrentes.                        
                                                                    
         §  1º   O  registro de que trata o caput, efetuado de  forma
declaratória e eletrônica, compreende as seguintes modalidades, cujos
Regulamentos encontram-se anexos à presente Resolução:              
                                                                    
         I – investimento estrangeiro direto;                       
                                                                    
         II  –  crédito  externo,  inclusive  arrendamento  mercantil
financeiro externo;                                                  
                                                                    
         III   –   royalties,  serviços  técnicos   e   assemelhados,
arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;  
                                                                     
         IV – garantias prestadas por organismos internacionais;    
                                                                    
         V  – capital em moeda nacional, nos termos da Lei nº 11.371,
de 28 de novembro de 2006.                                          
                                                                    
         §  2º  O registro de que trata este artigo deve ser efetuado
na  moeda estrangeira em que os recursos efetivamente ingressaram  no
País  ou,  nas situações previstas na legislação em vigor,  em  moeda
nacional.                                                           
                                                                    
         Art.  2º   Observadas as disposições cambiais e a legislação
específica,  as transferências financeiras do e para o  exterior,  em
moeda  nacional  ou  em  moeda estrangeira,  relativas  aos  capitais
estrangeiros   no  Brasil  devem  seguir  a  forma  e  as   condições
estabelecidas nesta Resolução.                                      
                                                                    
         Parágrafo  único.   As  transferências  financeiras  para  o
exterior  podem  ser  feitas em qualquer moeda, independentemente  da
moeda em que for realizado o registro no Banco Central do Brasil.   
                                                                    
         Art.   3º    Para  os  fins  do  disposto  nesta  Resolução,
conceitua-se  como registro o lançamento, no Sistema  de  Informações
Banco  Central  (Sisbacen) – Registro Declaratório Eletrônico  (RDE),
das   informações  necessárias  à  identificação  das  partes   e   à
caracterização  individualizada das operações  atinentes  ao  capital
estrangeiro investido no País.                                      
                                                                    
         Parágrafo  único.  O registro de que trata este artigo  deve
ser  efetuado no prazo de 30 (trinta) dias, contado da data do evento
que  lhe deu origem, observadas as normas veiculadas nos Regulamentos
Anexos.                                                             
                                                                    
         Art.  4º   Os  responsáveis  pelo  registro,  indicados  nos
Regulamentos  Anexos a esta resolução, devem manter à  disposição  do
Banco  Central  do  Brasil,  atualizada e em  ordem,  a  documentação
comprobatória de todas as informações declaradas no RDE, até o  termo
final  do  prazo de 5 (cinco) anos, contado a partir  do  término  da
participação no capital social da pessoa jurídica receptora, no  caso
de  investimento estrangeiro direto, ou da conclusão da operação, nos
demais casos.                                                        
                                                                    
         Art.  5º   A  realização  do  registro  de  que  trata  esta
Resolução não exime os responsáveis pelo registro do cumprimento  das
disposições   legais   e  regulamentares  aplicáveis   às   operações
registradas, inclusive as de natureza tributária.                   
                                                                    
         Art.  6º   Os  responsáveis pelo registro devem informar  ao
Banco  Central  do Brasil, na forma e no prazo por ele  definidos,  a
realização  de  pagamento,  diretamente  no  exterior,  de  obrigação
externa relativa à operação registrada nos termos desta Resolução.  
                                                                     
         Art.  7º   Para  os  fins  do registro  de  que  trata  esta
Resolução,  sujeitam-se  à  realização de  operações  simultâneas  de
câmbio  ou  de  transferências internacionais em reais,  sem  entrega
efetiva  dos  recursos e independentemente de prévia  autorização  do
Banco Central do Brasil:                                            
                                                                    
         I  –  a  conversão de haveres de não residentes no  País  em
modalidade  de  capital estrangeiro registrável no Banco  Central  do
Brasil; e                                                           
                                                                    
         II   –   a   transferência  entre  modalidades  de   capital
estrangeiro registrado no Banco Central do Brasil.                  
                                                                    
         Art.  8º   A  inobservância  do disposto  na  regulamentação
referente  ao  registro de capitais estrangeiros no  País  implica  a
vedação  à  realização  de transferências financeiras  ao  amparo  do
registro, enquanto não forem sanadas as irregularidades, sem prejuízo
da   aplicação  de  penalidades  nos  termos  da  legislação  ou   da
regulamentação vigente.                                             
                                                                    
         Art.  9º   Esta  Resolução não se aplica aos  investimentos,
nos  mercados  financeiro  e  de  capitais,  de  pessoas  físicas   e
jurídicas,  de fundos e de outras entidades de investimento  coletivo
com  residência,  domicílio  ou  sede  no  exterior,  cujo  registro,
realizado  de  forma declaratória e eletrônica, segue o  disposto  em
regulamentação específica.                                          
                                                                    
         Art.  10.   O  Banco Central do Brasil baixará as  normas  e
adotará   as  medidas  necessárias  à  execução  do  disposto   nesta
Resolução, podendo estabelecer, inclusive, a forma e demais  aspectos
operacionais  referentes a cada modalidade  de  registro  do  capital
estrangeiro.                                                        
                                                                     
         Art. 11.  Ficam revogadas as Resoluções ns. 1.460, de 1º  de
fevereiro  de 1988, 1.466, de 1º de março de 1988, 1.522,  de  21  de
setembro de 1988, 1.530, de 30 de novembro de 1988, 1.834, de  26  de
junho  de  1991,  2.063,  de 13 de abril de 1994,  2.337,  de  28  de
novembro  de 1996, 2.770, de 30 de agosto de 2000, 3.217,  de  30  de
junho de 2004, 3.218, de 30 de junho de 2004, e 3.221, de 29 de julho
de 2004, bem como os arts. 1º, 2º, 4º, 6º e 7º da Resolução nº 1.969,
de  30 de setembro de 1992, e os arts. 1º a 6º da Resolução nº 3.455,
de 30 de maio de 2007.                                              
                                                                    
         Art. 12.  Esta  Resolução  entra  em  vigor  na  data de sua
publicação.                                                         
                                                                    
                                       Brasília, 23 de março de 2010.
                                                                     
                                                                    
                                                                    
                    Henrique de Campos Meirelles                     
                             Presidente                             
                                                                    
   REGULAMENTO ANEXO I À RESOLUÇÃO Nº 3.844, DE 23 DE MARÇO DE 2010 
                                                                     
                   INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO                  
                                                                    
         Art.   1º    Este  Regulamento  dispõe  sobre   o   registro
declaratório  eletrônico, no Banco Central do Brasil, do investimento
estrangeiro direto no País.                                         
                                                                    
         Art.  2º  O registro de que trata este Regulamento deve  ser
efetuado   no   sistema  Registro  Declaratório  Eletrônico,   módulo
Investimento Estrangeiro Direto (RDE-IED), do Sisbacen.             
                                                                    
         Parágrafo   único.   O  registro  deve  ser   precedido   de
autorização do Banco Central do Brasil para investimento  no  capital
social  de  instituições financeiras e demais  instituições  por  ele
autorizadas a funcionar.                                            
                                                                     
         Art.  3º   Adotam-se,  para os fins  deste  Regulamento,  as
seguintes definições:                                               
                                                                     
         I   –   investidor  não  residente:  pessoa  física,  pessoa
jurídica  ou entidade de investimento coletivo que, tendo residência,
domicílio ou sede no exterior, detém ou intenta deter participação no
capital social de empresa no País;                                   
                                                                    
         II   –   empresa   receptora:  pessoa  jurídica   empresária
constituída  sob as leis brasileiras e com domicílio e  administração
no  País, em cujo capital social o investidor não residente detém  ou
intenta  deter  participação,  bem como  filial  de  pessoa  jurídica
empresária estrangeira autorizada a funcionar no Brasil.            
                                                                     
         Art.  4º  São responsáveis pelo registro a empresa receptora
e  os representantes, no País, do investidor não residente, indicados
no módulo RDE-IED.                                                  
                                                                     
         Art.   5º    Devem   ser   registrados   como   investimento
estrangeiro  direto  a participação de investidor  não  residente  no
capital  social de empresa receptora, integralizada ou  adquirida  na
forma  da  legislação  em  vigor, e o capital  destacado  de  empresa
estrangeira autorizada a operar no Brasil.                          
                                                                    
         Art.  6º   As  capitalizações de lucros, de  dividendos,  de
juros  sobre  capital  próprio e de reservas de  lucros,  na  empresa
receptora  em  que  foram  produzidos,  devem  ser  registradas  como
reinvestimento  na  moeda  do país para  o  qual  poderiam  ter  sido
remetidos  ou, no caso de investimento registrado em moeda  nacional,
em reais.                                                           
                                                                    
         Art.   7º    Sujeitam-se   a  registro,   na   forma   deste
Regulamento,  as  reorganizações societárias  que  envolvam  empresas
receptoras.                                                         
                                                                    
         Art.  8º   O  investimento estrangeiro direto  por  meio  de
conferência  de  bem  tangível caracteriza-se pela  capitalização  do
valor  correspondente  a  bens  de  propriedade  de  não  residentes,
importados sem obrigatoriedade de pagamento.                        
                                                                     
         Parágrafo único.  O registro do investimento de que trata  o
caput  deve  ser efetuado no prazo de 30 (trinta) dias,  contados  da
data do desembaraço aduaneiro do bem tangível.                      
                                                                     
         Art.  9º   A  capitalização das reservas  de  capital  e  de
reavaliação não altera o valor do registro, refletindo-se  apenas  na
participação do investidor.                                          
                                                                    
         Art.  10.   Este  Regulamento aplica-se  subsidiariamente  à
modalidade de registro de que trata o art. 5º da Lei nº 11.371, de 28
de  novembro de 2006, nos termos do art. 6º do Regulamento Anexo V  a
esta Resolução.                                                     
                                                                    
 REGULAMENTO ANEXO II À RESOLUÇÃO Nº 3.844, DE 23 DE MARÇO DE 2010  
                                                                     
                           CRÉDITO EXTERNO                          
                                                                    
                             CAPÍTULO I                              
                                                                    
                         Disposições Gerais                         
                                                                    
         Art.   1º    Este  Regulamento  dispõe  sobre   o   registro
declaratório eletrônico, no Banco Central do Brasil, de operações  de
crédito  externo  concedido a pessoa física  ou  jurídica  residente,
domiciliada  ou  com  sede  no País por  pessoa  física  ou  jurídica
residente,  domiciliada  ou  com  sede  no  exterior,  nas  seguintes
modalidades:                                                        
                                                                    
         I  –  empréstimo externo, inclusive mediante  a  emissão  de
títulos;                                                            
                                                                    
         II – financiamento externo;                                
                                                                     
         III – arrendamento mercantil financeiro externo.           
                                                                    
         Art.  2º  O registro de que trata este Regulamento deve  ser
efetuado no sistema Registro Declaratório Eletrônico, módulo Registro
de Operação Financeira (RDE-ROF), do Sisbacen.                      
                                                                    
         Art.  3º   Os custos e as demais condições das operações  de
que  trata este Regulamento devem manter compatibilidade com  aqueles
usualmente  observados nos mercados internacionais e estar claramente
definidos  no registro, não sendo admitidos vencimentos em aberto  ou
encargos   indefinidos  ou  vinculados,  de  forma   ilimitada,   aos
resultados  financeiros ou a qualquer forma de medição de  desempenho
empresarial do tomador ou de terceiros.                             
                                                                     
         Art.  4º   São responsáveis pelo registro de que trata  este
Regulamento,  conforme  o caso, o tomador dos  recursos  externos,  o
importador e o arrendatário, por meio de seus representantes.       
                                                                     
         Art.  5º   Previamente à contratação das  operações  de  que
trata  este  Regulamento,  os  órgãos ou entidades  da  Administração
Federal,  dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios sujeitam-
se  a  credenciamento  no  Banco  Central  do  Brasil,  na  forma  da
regulamentação específica.                                          
                                                                    
         Art.  6°   É facultada a liquidação antecipada de obrigações
externas relativas às operações de que trata este Regulamento.      
                                                                    
         Art.  7º   Este  Regulamento  aplica-se  subsidiariamente  à
modalidade de registro de que trata o art. 5º da Lei nº 11.371, de 28
de  novembro de 2006, nos termos do art. 6º do Regulamento Anexo V  a
esta Resolução.                                                     
                                                                    
                             CAPITULO II                            
                                                                    
                        Empréstimos externos                        
                                                                     
         Art.   8º    Sujeitam-se  a  registro,  nos   termos   deste
Regulamento, os recursos ingressados no País referentes a  empréstimo
externo contratado de forma direta ou mediante emissão de títulos  no
mercado internacional, independentemente do prazo da operação.      
                                                                    
         Art.  9º   Uma  vez  ocorrido  o ingresso  de  recursos,  as
alterações   de  data  de  vencimento  e  de  condições   financeiras
(renovação)  e  de  devedor  (assunção) são  de  responsabilidade  do
tomador original, que deve efetivá-las tempestivamente no módulo RDE-
ROF,  por  meio  de modalidade própria, dando baixa  no  registro  da
dívida original e constituindo novo registro.                        
                                                                    
         Art.  10.   É  facultada às instituições  financeiras  e  às
sociedades  de  arrendamento mercantil  a  captação  de  recursos  no
exterior, para livre aplicação no mercado doméstico.                
                                                                    
         Parágrafo  único.   A  faculdade de que  trata  este  artigo
compreende,  no  que  diz  respeito  exclusivamente  às  instituições
financeiras, a realização de operações de repasse, nos termos do art.
11, observado o disposto no art. 12.                                
                                                                    
         Art.  11.   Entende-se como operação de repasse  o  contrato
vinculado  a  captação  de recursos no exterior,  por  meio  do  qual
instituição  financeira nacional concede crédito a pessoa  física  ou
jurídica  residente,  domiciliada ou com sede  no  País,  mediante  a
transferência de idênticas condições de custo da dívida contratada no
exterior   em   moeda  estrangeira  (principal,  juros   e   encargos
acessórios), incluindo a tributação aplicável à hipótese.           
                                                                    
         §  1º   É  vedada a cobrança, nas operações de  repasse,  de
ônus  de  qualquer espécie, a qualquer título, além de comissão  pelo
serviço de intermediação financeira.                                
                                                                     
         §  2º  Nas operações de que trata este artigo, a instituição
financeira deve repassar ao tomador dos recursos, no País, os efeitos
da  variação cambial correspondentes à dívida contratada no  exterior
em moeda estrangeira.                                                
                                                                    
         Art.  12.   As  instituições financeiras e as sociedades  de
arrendamento   mercantil   podem  realizar   operações   de   repasse
interfinanceiro,  assim  entendidas  as  operações  de  repasse  cujo
tomador,  no País, seja outra instituição financeira ou sociedade  de
arrendamento mercantil.                                             
                                                                     
                               Seção I                              
                                                                    
              Empréstimos externos denominados em reais             
                                                                     
         Art.  13.   A  captação de recursos, por  pessoa  física  ou
jurídica  domiciliada  ou com sede no País, mediante  contratação  de
empréstimo  direto  ou  emissão de títulos no mercado  internacional,
denominados  em  reais, deve ser registrada na  mesma  moeda  em  que
ocorreu o efetivo ingresso dos recursos no País.                    
                                                                    
         Art. 14.  Independentemente da moeda em que for realizado  o
registro referido no  art. 13,  faculta-se  a  realização,  ao amparo
do registro, de transferências financeiras  ao  exterior  em qualquer
moeda.                                                              
                                                                     
         §  1º   As transferências de que trata o caput deste  artigo
são limitadas ao montante correspondente ao valor, em moeda nacional,
necessário para efetuar o pagamento de juros e encargos da  operação,
bem como para liquidar o principal da dívida.                       
                                                                    
         §  2º   Os valores de que trata este artigo podem ser pagos,
alternativamente, mediante movimentação em conta corrente,  no  País,
de  titularidade  do  credor externo ou do agente  responsável  pelos
pagamentos, no exterior, das obrigações decorrentes da operação.    
                                                                    
                              Seção II                              
                                                                    
          Operações de recebimento antecipado de exportação         
                                                                    
         Art.   15.    Sujeitam-se  a  registro,  nos  termos   deste
Regulamento, os recursos ingressados no País referentes a recebimento
antecipado  de exportação com anterioridade superior a 360 (trezentos
e  sessenta) dias em relação à data do embarque da mercadoria  ou  da
prestação do serviço.                                               
                                                                    
         Art.   16.    A   operação  de  recebimento  antecipado   de
exportação com prazo superior a 360 (trezentos e sessenta) dias  pode
ser  vinculada  a  exportação do tomador  do  financiamento,  de  sua
controladora,  de  suas  controladas,  ou  de  empresas   que   sejam
controladas por sua controladora.                                   
                                                                    
         Art.  17.   A  amortização das operações de que  trata  esta
seção  deve  ser  efetuada mediante o embarque das mercadorias  ou  a
prestação  de  serviços,  podendo os juros  ser  pagos  por  meio  de
transferências financeiras ou de exportações.                       
                                                                    
          Art.  18.   Na  hipótese  de não  ocorrer  o  embarque  das
mercadorias   ou  a  prestação  de  serviços  de  que  trata  o  art.
17,  faculta-se   o   retorno,  ao   exterior,   dos   recursos   que
ingressaram  no  País  na forma desta seção, ou  a  transferência  do
correspondente   registro   para  as  modalidades   de   investimento
estrangeiro direto ou de empréstimo externo.                        
                                                                    
                            CAPITULO III                            
                                                                     
                        Financiamento externo                       
                                                                    
          Art.   19.   Sujeitam-se  a  registro,  nos  termos   deste
Regulamento,  as  operações de financiamento externo,  com  prazo  de
pagamento superior a 360 (trezentos e sessenta) dias, mediante:     
                                                                    
         I  –  financiamento ou refinanciamento direto ao importador,
pelo  fornecedor  do bem, tangível ou intangível, pelo  prestador  do
serviço ou por outro financiador;                                   
                                                                    
         II  – utilização de linhas de crédito externas concedidas  a
instituições  autorizadas a operar em câmbio sediadas no  País,  para
financiamento a importadores.                                       
                                                                    
          Art.  20.   A  importação  de bens sem  obrigatoriedade  de
pagamento a não residente, destinados à integralização de capital  de
empresas brasileiras, deve ser registrada no módulo RDE-ROF,  devendo
o  responsável pelo registro providenciar, posteriormente, o registro
do  investimento estrangeiro direto no módulo RDE-IED,  na  forma  do
Regulamento Anexo I.                                                
                                                                    
                             CAPITULO IV                             
                                                                    
              Arrendamento mercantil financeiro externo             
                                                                    
         Art.   21.    Sujeitam-se  a  registro,  nos  termos   deste
Regulamento,  as  operações  de  arrendamento  mercantil   financeiro
externo (leasing financeiro) contratadas entre arrendador domiciliado
no exterior e arrendatário no País, com prazo de pagamento superior a
360 (trezentos e sessenta) dias.                                    
                                                                    
         Art.   22.    Aplicam-se   ao  registro   da   operação   de
arrendamento mercantil financeiro externo, no que couber,  as  normas
referentes ao registro de operações de importação financiada.       
                                                                    
         Art.  23.   O  contrato de arrendamento mercantil financeiro
externo  pode  ter  por objeto bens de capital, bens  móveis  e  bens
imóveis, de propriedade de estrangeiros, novos ou usados, observando-
se, para seu ingresso no País, as normas que regem a importação.    
                                                                     
         Art.  24.   Considera-se como vida útil  do  bem  objeto  de
arrendamento mercantil financeiro externo aquela informada:         
                                                                    
         I – pelo fabricante, quando se tratar de bem novo;         
                                                                    
         II   –   pelo   fabricante  ou  por  empresa  especializada,
estrangeira ou nacional, quando se tratar de bem usado;             
                                                                     
         III  –  por empresa especializada, quando se tratar  de  bem
imóvel.                                                             
                                                                     
         Art.  25.   Para  os  fins  de que trata  este  capítulo,  o
arrendamento mercantil financeiro externo deve observar as  seguintes
regras:                                                             
                                                                     
         I  –  o prazo total da operação deve limitar-se à vida  útil
do bem;                                                             
                                                                    
         II  –  as  contraprestações devem  ser  compatíveis  com  as
praticadas no mercado internacional;                                
                                                                    
         III  – as prestações contratuais, parcelas fixas, devem  ser
distribuídas  no  tempo  de tal forma que,  em  qualquer  momento  da
vigência  do contrato, a proporção entre o valor total já transferido
ao  exterior e o valor do arrendamento não seja superior à  proporção
existente entre o prazo já decorrido e o prazo total da operação;   
                                                                    
         IV  – o contrato deve conter cláusula de opção de compra  ou
de renovação do prazo de vigência do contrato.                      
                                                                     
         Art.  26.   Quando  se  tratar de contrato  de  arrendamento
mercantil financeiro externo entre arrendadora-compradora domiciliada
no exterior e arrendatária-vendedora domiciliada no País (sale-lease-
back),  o  valor  do contrato deve ser inferior a  90%  (noventa  por
cento)  do  custo  do  bem  objeto do  arrendamento  mercantil,  cuja
aquisição deve ocorrer mediante pagamento à vista.                  
                                                                     
 REGULAMENTO ANEXO III À RESOLUÇÃO Nº 3.844, DE 23 DE MARÇO DE 2010 
                                                                    
 ROYALTIES, SERVIÇOS TÉCNICOS E ASSEMELHADOS, ARRENDAMENTO MERCANTIL
                                                                     
             OPERACIONAL EXTERNO, ALUGUEL E AFRETAMENTO             
                                                                    
         Art.  1º  Sujeitam-se a registro declaratório eletrônico  no
Banco  Central  do Brasil, na forma deste Regulamento,  os  seguintes
contratos,   quando  realizados  entre  pessoa  física  ou   jurídica
residente,  domiciliada  ou  com sede no  País  e  pessoa  física  ou
jurídica residente, domiciliada ou com sede no exterior:            
                                                                    
         I  – uso ou cessão de patentes, de marcas de indústria ou de
comércio,  fornecimento de tecnologia ou outros  contratos  da  mesma
espécie,  para  efeito de transferências financeiras  ao  exterior  a
título de pagamento de royalties;                                   
                                                                    
         II – prestação de serviços técnicos e assemelhados;        
                                                                    
         III  –  arrendamento mercantil operacional externo com prazo
superior a 360 (trezentos e sessenta) dias;                         
                                                                     
         IV  –  aluguel,  inclusive  arrendamento  mercantil  simples
externo,  e  afretamento,  com  prazo superior  a  360  (trezentos  e
sessenta) dias.                                                     
                                                                     
         Parágrafo  único.   O registro dos contratos  de  que  trata
este  artigo  é  de  responsabilidade da pessoa  física  ou  jurídica
residente,   domiciliada  ou  com  sede  no  País  que  celebrar   os
mencionados contratos.                                              
                                                                    
         Art.  2º  O registro de que trata este Regulamento deve  ser
efetuado no sistema Registro Declaratório Eletrônico, módulo Registro
de Operação Financeira (RDE-ROF), do Sisbacen.                      
                                                                    
         Art.  3º   O  registro de contratos de uso ou de  cessão  de
patentes,  de marcas de indústria ou de comércio, de fornecimento  de
tecnologia e de outros contratos da mesma espécie, bem como contratos
de  prestação  de  serviços de assistência  técnica  e  de  franquia,
somente  deve ser efetuado após a averbação do contrato no  Instituto
Nacional da Propriedade Industrial (INPI).                          
                                                                    
         Parágrafo  único.   Sujeitam-se  igualmente  a  registro  os
serviços   técnicos  complementares  e  as  despesas  vinculadas   às
operações  descritas  no caput deste artigo, ainda  que  não  estejam
sujeitos a averbação no INPI.                                       
                                                                    
         Art.  4º   Para  os fins deste Regulamento,  o  arrendamento
mercantil operacional externo deve observar as seguintes regras:    
                                                                    
         I   –  as  contraprestações  devem  contemplar  o  custo  de
arrendamento  do  bem  e dos serviços inerentes  a  sua  colocação  à
disposição  da  arrendatária,  não  podendo  o  valor  presente   dos
pagamentos ultrapassar 90% (noventa por cento) do custo do bem;     
                                                                     
         II  – o prazo contratual deve ser inferior a 75% (setenta  e
cinco por cento) do prazo de vida útil do bem;                      
                                                                     
         III  –  o  preço  para o exercício da opção de  compra  deve
corresponder ao valor de mercado do bem arrendado; e                
                                                                    
         IV  –  o  contrato não pode conter previsão de pagamento  de
valor residual garantido.                                           
                                                                    
         Art.  5º   Aplica-se  ao arrendamento mercantil  operacional
externo o disposto nos arts. 23 e 24 do Regulamento Anexo II.       
                                                                    
         Art.  6°   É facultada a liquidação antecipada de obrigações
externas relativas às operações de que trata este Regulamento.       
                                                                    
 REGULAMENTO ANEXO IV À RESOLUÇÃO Nº 3.844, DE 24 DE MARÇO DE 2010  
                                                                    
          GARANTIAS PRESTADAS POR ORGANISMOS INTERNACIONAIS         
                                                                    
         Art.   1º    Este  Regulamento  dispõe  sobre   o   registro
declaratório  eletrônico, no Banco Central do Brasil,  das  garantias
prestadas por organismos internacionais de que o Brasil participe, em
operações  de  crédito realizadas no Brasil, entre pessoas  jurídicas
domiciliadas ou com sede no País.                                   
                                                                     
         Parágrafo   único.    As  instituições   financeiras   ficam
autorizadas a aceitar, em suas operações de crédito, as garantias  de
que trata este artigo.                                              
                                                                     
          Art. 2º  O registro de que trata este Regulamento deve  ser
efetuado,  por  ocasião  da assinatura do contrato  de  prestação  da
garantia,   no  sistema  Registro  Declaratório  Eletrônico,   módulo
Registro de Operação Financeira (RDE-ROF), do Sisbacen.             
                                                                    
          Art. 3º  A responsabilidade pelo registro de que trata este
Regulamento é do devedor da operação de crédito interno.             
                                                                    
          Art.  4º   Para  os  fins  deste Regulamento,  considera-se
beneficiário dos recursos que ingressarem no País para cumprimento da
garantia  o  credor da operação interna que, na data da transferência
pelo garantidor externo, esteja devidamente identificado.           
                                                                    
          Art.  5º   O prazo de vigência do registro de que  trata  o
art.  1º  é  igual  ao prazo máximo previsto para  o  cumprimento  da
garantia.                                                           
                                                                    
         Art.  6º   O  ingresso de recursos no País, para cumprimento
da garantia, torna efetiva a operação externa, para fins de registro.
                                                                    
         Parágrafo  único. Na hipótese prevista no caput, o  registro
deverá  ser  efetuado na moeda em que ocorreu o efetivo ingresso  dos
recursos.                                                           
                                                                    
         Art.  7º   Independentemente da moeda referida no  parágrafo
único do art. 6º, faculta-se a transferência ao exterior, amparada no
registro,  do valor em moeda estrangeira correspondente ao  montante,
em moeda nacional, do crédito e dos acréscimos legais e convencionais
em que se sub-rogar o garantidor que cumprir a garantia.             
                                                                    
  REGULAMENTO ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº 3.844, DE 23 DE MARÇO DE 2010  
                                                                    
CAPITAL EM MOEDA NACIONAL – LEI Nº 11.371, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2006
                                                                    
         Art.   1º    Este  Regulamento  dispõe  sobre   o   registro
declaratório  eletrônico,  no Banco Central  do  Brasil,  do  capital
estrangeiro investido em pessoas jurídicas no País, nos termos da Lei
nº 11.371, de 2006.                                                 
                                                                    
         Art.  2º  O registro de que trata este Regulamento deve  ser
efetuado  nos  seguintes  módulos do  sistema  Registro  Declaratório
Eletrônico, do Sisbacen:                                            
                                                                    
         I  –  Investimento Estrangeiro Direto (RDE-IED), no caso  de
investimento estrangeiro direto;                                    
                                                                    
         II  –  Registro de Operações Financeiras (RDE-ROF), para  os
demais capitais.                                                    
                                                                    
         §  1º   Sujeitam-se igualmente a registro, nos termos  deste
Regulamento, as capitalizações de lucros e dividendos, de juros sobre
capital  próprio e de reservas de lucros provenientes da  parcela  de
capital registrada nos termos do inciso I do caput.                 
                                                                    
         §  2º   O  registro de que trata este Regulamento  deve  ser
precedido  de autorização do Banco Central do Brasil, na hipótese  de
investimento no capital social de instituições financeiras  e  demais
instituições por ele autorizadas a funcionar.                       
                                                                     
         Art.  3º   Apenas  deve  ser registrado,  nos  termos  deste
Regulamento,  o  capital  estrangeiro em moeda  nacional  cujo  valor
conste  dos  registros contábeis da empresa brasileira  receptora  do
capital estrangeiro, na forma da legislação em vigor.               
                                                                    
         Parágrafo  único.   A  titularidade do  capital  estrangeiro
deve ser comprovada por documento.                                  
                                                                    
         Art.  4º   O  registro  do capital estrangeiro,  nos  termos
deste  Regulamento, deve ocorrer, independentemente da  data  de  sua
integralização,  até o último dia útil do ano-calendário  subsequente
ao  do  balanço  anual no qual a pessoa jurídica estiver  obrigada  a
registrar o capital, observando-se, quanto ao capital existente em 31
de  dezembro de 2005, o disposto no § 2º do art. 5º da Lei nº 11.371,
de 2006.                                                            
                                                                    
         Parágrafo  único.   É  vedado o  registro,  na  forma  deste
Regulamento,  de capitais estrangeiros sujeitos a outras  modalidades
de  registro,  aos  quais  se  aplica  a  regulamentação  específica,
inclusive quanto ao prazo para registro e à aplicação de penalidades.
                                                                    
         Art.  5º  São responsáveis pelo registro, para os fins deste
Regulamento:                                                        
                                                                    
         I  –  no  caso de investimento estrangeiro direto, a empresa
receptora  do investimento e o representante, no País, do  investidor
estrangeiro, indicados no módulo RDE-IED;                           
                                                                    
         II – nos demais casos, o tomador de recursos no exterior.  
                                                                    
         Art.   6º    Aplicam-se  ao  registro  de  que  trata   este
Regulamento, no que couber, as disposições do Regulamento Anexo I, no
caso  de investimento estrangeiro direto, e do Regulamento Anexo  II,
nos demais casos.                                                   
                                                                    
                                                                     
                             DOU 26.03.10

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: